Você está aqui
Home > Entrevistas > Entrevista à jogadora Renata Goulart

Entrevista à jogadora Renata Goulart

Renata Freitas Goulart iniciou a prática do basquetebol no Fayal Sport Club no escalão de minibasquete e venceu pelo Fayal Sport Club diversos campeonatos regionais dos escalões de formação e de séniores.

Jogou no Clube União Micaelense e no Clube Juvenil Boa Viagem, vivenciando nesses clubes experiências competitivas na 1ª. Divisão e na Liga. Jogou também no Sport Clube Lusitânia.

Participou em diversas Seleções Açores e integrou os trabalhos da Seleção Nacional de sub 16 femininos.

Foi Homenageada por Sua Exª. o Presidente do Governo Regional dos Açôres, Drº. Carlos Manuel Martins do Vale César, na VI Edição da Gala do Desporto Açoriano, no dia 11 de abril de 2007.

Regressou ao Fayal Sport Club na época 2017/2018, tendo obtido nestas duas últimas épocas dois títulos regionais de séniores e esta é a sua 20ª. época como jogadora de basquetebol.

É capitã da equipa sénior do Fayal Sport Club e fomos ao seu encontro, colocando algumas questões relativas ao seu percurso como jogadora e as perspetivas que apresenta para a participação da sua equipa no Campeonato Nacional da 2ª. Divisão feminina.

Com que idade começaste a jogar basquetebol e quem te influenciou?

Comecei com 8 anos de idade no Fayal Sport Club. Quem mais me influenciou foram algumas amigas e a minha mãe que também já tinha praticado a modalidade.

Estiveste alguns anos a competir em outros níveis competitivos. O que aprendeste enquanto jogadora e o que mais te marcou nessa experiência?

Na verdade, foram experiências que me “marcaram” bastante enquanto jogadora e pessoa. Aprendi muito, em alguns momentos tive de sofrer, mas hoje consigo perceber que valeu a pena. Sou uma jogadora e uma pessoa diferente. O que mais me marcou foram as amizades que fiz para a vida.

Em que posições é que jogavas nos outros clubes por onde passaste? Qual a tua posição preferida?

Inicialmente no Fayal Sport e no União Micaelense a poste (4/5), no Boa Viagem, Lusitânia e atualmente no Fayal Sport a extremo (3). A posição que mais gosto é extremo (3).

Qual foi o momento mais feliz enquanto jogadora de basquetebol? E qual o mais difícil?

O momento mais feliz foi quando representei a seleção nacional contra a Espanha, ouvir o hino nacional foi lindo, de arrepiar.

O mais difícil, foi quando representei o Boa Viagem, onde me defrontei com um plantel muito competitivo, em que tinha de “lutar” em todos os minutos do treino, para no fim de semana fazer parte das 10 jogadoras convocadas para o jogo.

Sentes que o tempo que despendes para o basquetebol é recompensado?

Sim, sem dúvida. O Basquetebol faz parte da minha vida, do meu dia a dia… Penso que ao longo destes anos fui conquistando amizades para a vida, fui melhorando o meu rendimento e também me sinto uma “pessoa” diferente, no sentido de ter adquirido uma maturidade que me permite ter uma visão mais abrangente do jogo e da modalidade.

Nesta época desportiva o Fayal Sport Club (e a ilha do Faial) participa pela primeira vez num campeonato nacional com regularidade anual. Como é que perspetivas a participação da tua equipa no Campeonato Nacional da 2ª. Divisão?

Sendo esta, a nossa primeira participação numa competição a nível nacional, todo o grupo está motivado para fazer o melhor possível. Estamos cá por mérito próprio e embora saibamos das dificuldades que vamos encontrar, vamos lutar em todos os jogos para representar da melhor forma possível o Fayal Sport Club.

Como é que sentes o teu papel como capitã de equipa?

Sinto muito orgulho e responsabilidade. Pretendo transmitir toda a minha experiência, ajudando as minhas colegas e mantendo o grupo unido que é muito importante.

O Fayal Sport tem revelado sempre ao longo dos anos, a preocupação de captação e formação de jovens jogadoras, como é que vês o futuro do Fayal Sport?

Sim, na verdade o Basquetebol do Fayal Sport tem ao longo destes anos representado o melhor possível o clube. O clube todos os anos “investe” na captação de atletas para os escalões de formação. Penso que o futuro estará assegurado.

Por fim, que mensagem queres deixar para os jovens jogadores de basquetebol?

Quem gosta de Basquetebol deve “lutar” pelos seus sonhos, trabalhar todos os dias, de forma empenhada para que um dia consiga alcançar o que mais ambiciona.

Deixe uma resposta

− 4 = 1

Top